Se você NÃO quer seu filho viciado em açúcar, precisa para de cometer este erro

Se você NÃO quer seu filho viciado em açúcar, precisa para de cometer este erro Deixe um comentário

Se você NÃO quer seu filho viciado em açúcar, precisa para de cometer este erro

O açúcar em excesso na alimentação das crianças pode trazer sérias consequências na saúde do pequeno, causando problemas que vão desde o surgimento de cáries dentárias até diabetes e obesidade infantil. Sorvetes, biscoito recheado, balas e pirulitos são vilões de uma dieta balanceada e, por isso, os pais precisam estar atentos aos tipos de guloseimas oferecidos às crianças.

O equilíbrio na alimentação deve começar desde cedo para que os pequenos não fiquem “reféns” do açúcar. Mas, muitas vezes, o erro começa na própria cozinha de casa, quando os responsáveis experimentam a comidinha do bebê e se esquecem que há diferenças gritantes entre os dois paladares.

Se você NÃO quer seu filho viciado em açúcar, precisa para de cometer este erro
Se você NÃO quer seu filho viciado em açúcar, precisa para de cometer este erro

Por que não provar a comida do bebê?

A nutricionista materno-infantil Andreia Friques explica que o simples fato do pai ou da mãe provar a comida do bebê pode induzir ao erro de querer colocar mais sal ou mais açúcar na refeição.

Ao experimentar a papinha, os pais provavelmente acharão que falta tempero ou que tudo está meio “sem graça”. “Mas o bebê não”, reforça a nutricionista. “Como eu digo sempre: ele é uma página em branco”, completa.

Andreia Friques relata que a fase da alimentação complementar é justamente a hora dos pequenos conhecer as frutas, legumes e verduras, com seu sabor natural. Os pais devem levar isso em conta antes adoçar o mamão ou o abacate de acordo com o paladar de um adulto.

Os sentidos da criança estão em desenvolvimento e incrementar comidinhas com sal ou açúcar nesta fase pode comprometer essa evolução na medida em que se oferece excessos de sabor – seja doce ou salgado.

A dica da especialista é testar a temperatura da refeição no dorso da mão, para não oferecê-la quente para o bebê e não provar a comida. “Se não resistir em experimentar, lembra-se: o paladar dele é diferente do seu!”, finaliza.

Isso porque o PALADAR DO ADULTO já está “viciado” no sabor doce e salgado!⠀

Assim, muito provavelmente, você achará a comidinha sem sal, o abacate sem açúcar, e tudo meio “sem graça”🍵⠀

Mas o bebê, não. Como digo sempre, ele é uma página em branco.⠀

E a fase da Introdução da #AlimentaçãoComplementar é exatamente a hora de conhecer as frutas, legumes e verduras, com seu sabor natural!⠀

Portanto, teste a temperatura da comida no dorso da sua mão, para não oferecê-la quente demais e se não resistir e experimentar, lembre-se: O paladar dele é diferente do seu!⠀

Atenção: Situações especiais devem sempre ser avaliadas individualmente, como por ex., por uma questão de segurança alimentar deve-se testar/avaliar a comida que será oferecida à criança “fora de casa”⠀

Leia mais sobre Alimentação Complementar e tire suas dúvidas acessando o Instagram @andreiafriques.

 

Fonte: Vix

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Minha ContaMinha Conta
0